Merendeira explica como salvou 50 crianças na escola de suzano

Redação - 15/03/2019 - 12:04


A merendeira Silmara Morais, 49 anos, ainda tremia horas depois do ataque a tiros realizado por dois encapuzados nas dependências da Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (SP), que deixou ao menos oito mortos, além dos dois atiradores que cometeram suicídio.

Em entrevista ao UOL, ela relata que, com outras duas mulheres, colocaram para dentro da cozinha cerca de 50 crianças no momento dos tiros.

A merendeira Silmara Morais, 49 anos, ainda tremia horas depois do ataque a tiros realizado por dois encapuzados nas dependências da Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (SP), que deixou ao menos oito mortos, além dos dois atiradores que cometeram suicídio.

“Colocamos o freezer e a mesa para nos protegermos, e pedimos que todos ficassem deitados e em silêncio para que não soubessem que estávamos lá”, diz a mulher, ao lado de familiares.

“Foi tudo muito rápido. Quando começaram os tiros, a gente achou que era brincadeira. Mas aí a gente percebeu que a coisa era séria e abriu a cozinha. Todo mundo começou a gritar é tiro, é tiro. Trancamos tudo. Mas o pânico foi muito grande. O medo era que atirassem pelos vitrôs”, conta a merendeira, que trabalha há 10 anos na escola.

Ela explica que o grupo permaneceu na cozinha até a chegada da polícia. “A gente estava em pânico junto com eles, mas precisava manter a calma. Tinha criança passando mal”, diz. “Era socorrer, acalmar e pensar rápido”.

Silmara conta que o grupo foi retirado pela polícia e viu os corpos das vítimas enquanto deixavam a escola. A merendeira diz que, entre os atingidos por tiros, estão a coordenadora e a inspetora – ainda não há informações oficiais sobre o estado de saúde das duas funcionárias.

Uma das alunas ajudada por Silmara relata que, de dentro da cozinha, todos só conseguiam ver as janelas. “A gente ouvia as pessoas correndo e ouvindo tiros. Muitos gritos”, conta a estudante do segundo ano do ensino médio.

Segundo a jovem de 16 anos, quando a porta se abriu, o grupo pensou que eram os atiradores. “Vimos que era a polícia. A gente correu o mais rápido possível para longe”, relembra.

“Cada um só pensava em se salvar, em Salvar quem estava junto”, diz, emocionada. “A gente se espremeu embaixo das mesas. Ficamos ali por uns 15 minutos”, encerra a estudante, que escapou ilesa do ataque ocorrido na escola.

WhatsApp Giro de Notícias (73) 98160-3777
Adicione nosso número, envie-nos a sua sugestão, fotos ou vídeos.


Compartilhe:

COMENTÁRIOS

Nome:

Texto:

Máximo de caracteres permitidos 500/



Que Deus proteja Todos ser indefeso Estas merendeira Foi escolhidas Por Deus conduzida Pelo espírito santo do nosso Altíssimo e Soberano Senhor DEUS JEOVÁ para salva estas crianças Glórias a DEUS