Candidatos partem para o ataque no último debate do primeiro turno.

Redação - 05/10/2018 - 08:43


Último debate antes do primeiro turno das eleições de 2018, o encontro promovido pela TV Globo na noite desta quinta-feira (4) foi marcado por uma elevação do tom entre os postulantes ao Planalto, com muitos ataques entre os presentes.

O principal alvo, no entanto, foi quem não compareceu: Jair Bolsonaro (PSL) foi criticado por ter faltado ao debate, alegando questões médicas, e ter concedido uma entrevista à TV Record, exibida simultaneamente ao evento.

Para Marina, o capitão da reserva “amarelou”. Para Ciro, ele “fugiu”. Sobraram críticas também às frases controversas dadas por assessores do presidenciável do PSL, como o vice General Mourão e o economista Paulo Guedes. “E Bolsonaro nega (as propostas dos aliados) quando vê a repercussão”, observou o pedetista, que se divertiu: “o que me assusta não é só a mentira, mas como uma equipe com três briga tanto”.

O candidato do PDT poupou Haddad, com quem disputa diretamente uma vaga no segundo turno, e centrou a artilharia no postulante do PSL. Em uma questão do petista sobre meio ambiente e agricultura, por exemplo, sem que Haddad tenha citado o capitão da reserva, Ciro respondeu que para executar projetos na área “tem que ter condição política para enfrentar o fascismo e a radicalização estúpida que o Bolsonaro representa”.

Se o ex-ministro não mirou a sua artilharia para Haddad, o mesmo não pode ser dito de Geraldo Alckmin (PSDB) e Alvaro Dias (Podemos), que fizeram críticas ao PT em diversos momentos ao longo do debate. Já na primeira pergunta Alckmin citou a crise econômica de 2015, durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff, e confrontou o adversário com o “modo petista” de governar, que insinuou ser um misto de desemprego e corrupção.

Veja também

Alvaro Dias, por sua vez, alfinetou Haddad ao dizer que trazia uma pergunta por escrito para que ele levasse ao “verdadeiro” candidato petista, em referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba. Ele também tratou das recentes delações de Antonio Palocci e Marcos Valério e buscou associar o partido do ex-prefeito aos escândalos relatados.

Diversas vezes, os postulantes apelaram contra o voto útil e contra os “radicalismos”, defendendo e se apresentando como alternativas à polarização entre Bolsonaro e Fernando Haddad. Guilherme Boulos (PSOL) pediu um voto de “esperança”, depois de um debate com tons críticos ao governo atual de Michel Temer (MDB) e a Geraldo Alckmin.

Em um debate que também foi repleto de frases marcantes, Boulos se envolveu em uma discussão com Meirelles, que insinuou que ele não trabalhava, rebatendo com uma crítica ao emedebista pela atuação no setor bancário. Em outro momento, o ex-ministro da Fazenda obteve o único direito de resposta da noite, após Alvaro Dias ter insinuado que ele era “cúmplice” dos escândalos do governo do PT.

As palmas ao fim das considerações finais de cada candidato eram originadas apenas de seus correligionários, que ocupam lugares marcados na plateia.

WhatsApp Giro de Notícias (73) 98160-3777
Adicione nosso número, envie-nos a sua sugestão, fotos ou vídeos.


Compartilhe:

COMENTÁRIOS

Nome:

Texto:

Máximo de caracteres permitidos 500/