Absurdo dos Absurdos: Alcolumbre sugeriu pagamento de mesada com dinheiro da Câmara

Giro de Noticias - 11/10/2021 - 10:52


No diálogo em que negocia o pagamento de uma mesada a uma ex-funcionária do Tribunal de Justiça do Amapá,revelado na última edição de VEJA, o então deputado federal Davi Alcolumbre (DEM), hoje presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, sugere que a fonte do dinheiro que ele destinava a Tatielle Pereira de Castro era a Câmara dos Deputados, com um “cartão” que ficava com seu chefe de gabinete.

O caso ocorreu em 2013. Alcolumbre estava atendendo ao pedido de um amigo, o desembargador Gilberto Pereira, do Tribunal de Justiça do Amapá (TJ), que precisava resolver uma questão pessoal com relativa urgência. Tatielle era funcionária da TJ, trabalhou durante anos na órbita do desembargador, até que surgiram certos rumores sobre a natureza dessa proximidade, o que acabou resultando em sua exoneração. Para não deixar a ex-funcionária desassistida, o desembargador pediu ao senador que patrocinasse uma espécie de auxílio-desemprego para a mulher.

A ex-funcionária do TJ, no entanto, não foi contratada formalmente no gabinete de Alcolumbre e em nenhuma outra repartição do Legislativo federal. A Câmara dos Deputados informou a VEJA que Tatielle nunca foi funcionária de nenhum gabinete. “O nome citado em sua mensagem não consta nos registros da Câmara como ocupante de cargo de secretária parlamentar em nenhum período e gabinete”, informou a Câmara dos Deputados. headtopics.com

No áudio divulgado, o senador combina com Tatielle a melhor forma de realizar o pagamento da mesada. Tatielle diz a Alcolumbre que o pagamento dela seria feito durante dois anos, sem contracheque. “Nós temos aí vinte e quatro meses, né?”, diz a moça a Alcolumbre. O então deputado diz que a partir daquela conversa, em 2013, o pagamento, que estaria sendo feito ao marido dela, seria feito diretamente para Tatielle.

Relacionadas

Áudio revela troca de favores entre Alcolumbre e atual chefe do TRE-AP“Eu posso depositar na tua conta?”, pergunta Alcolumbre. Tatielle concorda. “O meu chefe de gabinete lá, ele tem meu cartão (…) O meu pagamento cai dia 24, dia 25”, diz Alcolumbre. “Ele saca e paga minhas contas”, continua Alcolumbre.

 “Então, eu vou dar mais uma conta pra ele”. O diálogo não deixa claro se o chefe de gabinete de Alcolumbre retiraria dinheiro da conta parlamentar ou da verba de gabinete destinada a parlamentares ou da conta bancária pessoal do senador

WhatsApp Giro de Notícias (73) 98118-9627
Adicione nosso número, envie-nos a sua sugestão, fotos ou vídeos.


Compartilhe:

COMENTÁRIOS

Nome:

Texto:

Máximo de caracteres permitidos 500/