Ainda com reflexo da gestão Bolsonaro desemprego continua recuando neste começo de 2023, mas informalidade ainda é expressiva, diz IBGE

Giro de Noticias - 20/01/2023 - 12:33


O ano de 2022 trouxe resultados favoráveis para o mercado de trabalho. A taxa de desocupação recuou 0,9% de setembro a novembro do ano passado em relação ao trimestre anterior, de junho a agosto, e 3,5% na comparação com o mesmo período de 2021. Ainda assim, 8,7 milhões de pessoas ainda estão desempregadas no Brasil.

A coordenadora de Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Adriana Beringue explica que a retração no mês de novembro é reflexo do acréscimo de 680 mil pessoas no mercado de trabalho, aumento de 0,7% na ocupação do período.

“O contingente de trabalhadores informais no fim de 2020 foi o que mais respondeu a esse retorno da atividade e, com o passar dos trimestres, ao longo do ano de 2020 e, a partir do segundo semestre de 2022, a gente começa a observar o crescimento também do emprego com carteira.

 Se antes eu tinha um processo de recuperação muito calcado no trabalho informal, passamos agora, a partir do segundo semestre de 2022, a também observar uma recuperação de emprego com carteira”, diz.

De acordo com o IBGE, a taxa de desocupação vem caindo de forma significativa há seis trimestres, uma recuperação gradativa e setorialmente desigual. Existe um movimento de recuperação nas atividades como indústria, comércio, tecnologia da informação e da comunicação, além de um aumento recente no setor de serviços.

 “A pandemia trouxe fatos importantes e rápidos, o impacto, a perda de trabalho foi muito rápida, foi coisa de quatro meses. E o processo de recuperação está levando cerca de dois anos. O ano de 2022 ainda vai consolidar esse processo de recuperação que mais tardiamente foi observado nas atividades de serviços”, diz Beringue.

PUBLICIDADE

Apesar da queda expressiva do desemprego, ela reforça que o mercado de trabalho ainda é composto por muitos trabalhadores informais. A taxa de informalidade também teve queda e, agora, está em 38,9%, a menor desde o trimestre encerrado em novembro de 2020. Mesmo assim, ainda não 38,8 milhões trabalhadores nessa condição.

“Aqui, a gente conta como trabalhador informal aquele porta-a-porta que não tem CNPJ,não tem MEI, a empregada doméstica que não tem carteira, o empregado no setor privado que não tem carteira. Todas as formas em que não há nenhuma salva-guarda do ponto de vista da inserção desse trabalhador com sua atividade laboral.

Então, isso ainda é um contingente importante, cerca de 39 milhões de trabalhadores brasileiros”, aponta Beringue. Ainda de acordo com a pesquisa, o rendimento médio estimado foi de R$ 2.787 – aumento de 3% no trimestre.

Fonte da Joven Pan

WhatsApp Giro de Notícias (73) 98118-9627
Adicione nosso número, envie-nos a sua sugestão, fotos ou vídeos.


Compartilhe:

COMENTÁRIOS

Nome:

Texto:

Máximo de caracteres permitidos 500/